Sesau participa de reunião do Fórum de Combate à Corrupção

O secretário executivo de Ações de Saúde da Sesau, Paulo Teixeira, representando o gestor da pasta estadual, Christian Teixeira, participou, nesta terça-feira (5), da reunião ordinária do Fórum Estadual de Combate à Corrupção (Focco), para falar sobre as ações que vêm sendo executadas pelo órgão, no sentido de beneficiar os usuários que dependem do Sistema Único de Saúde (SUS). A reunião aconteceu no auditório Ministro Bento Bugarin, localizado na sede do Tribunal de Contas da União (TCU), no bairro Farol, em Maceió.

Durante a reunião, o secretário executivo de Ações de Saúde da Sesau destacou que o Governo do Estado tem tido sensibilidade em perceber que Alagoas precisa de novos equipamentos de saúde. A prova disso é que está construindo os Hospitais da Mulher e Metropolitano, ambos em Maceió, e Regional do Norte, em Porto Calvo, além de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no Jacintinho.

“As obras são necessárias no Estado e elas precisam ser feitas, já que 94% da população alagoana utiliza o SUS. Portanto, a iniciativa do Governo do Estado tem sido muito positiva e representa que a atual gestão tem um olhar à frente de seu tempo, o que está possibilitando uma saúde mais humanizada e qualificada a todos os alagoanos”, ressaltou Paulo Teixeira.

O secretário executivo de Ações de Saúde enfatizou que, com a criação do Programa Ponte, foram assegurados mais 127 leitos de retaguarda em hospitais da capital e interior. Com isso, a Rede Pública de Saúde Estadual passou a contar com 301 leitos de apoio para desafogar o Hospital Geral do Estado (HGE), uma vez que já existem 174 leitos contratualizados.

Segundo ele, com a criação dos leitos de retaguarda, os usuários do SUS já são atendidos nas mais diversas especialidades, a exemplo de oncologia clínica, cardiologia, clínica médica, neurologia, ortopedia e vascular. “O HGE é sempre porta de entrada para escoliose, quedas e, como se não bastasse, atende também as grandes necessidades emergenciais que justificam a entrada desses pacientes em um hospital de urgência e emergência. Como não se tem uma cobertura necessária da Atenção Básica, o fluxo de pacientes que procuram aquela unidade aumenta”, explicou.

Paulo Teixeira ressaltou ainda que o Plano Estadual de Oncologia de Alagoas foi um marco histórico no atendimento aos pacientes com câncer no Estado, o que vem garantindo assistência oncológica efetiva, resolutiva e humanizada. O plano atende a portaria 140 do Ministério da Saúde (MS), que prevê a disponibilização de procedimentos a serem realizados por mês pelas Unidades de Alta Complexidade em Oncologia (Unacons) e os Centros de Alta Complexidade em Oncologia (Cacons).

“O paciente, ao ser atendido na Unidade Básica de Saúde, com suspeita de câncer, já é encaminhado para os centros de cuidado. Todos os cânceres, de um modo geral, quando identificados no início de sua instalação, são passíveis de reversão do quadro em até 80%. Quando se passa esse nível inicial, o percentual vai diminuindo e, com isso, não há tempo de se trabalhar a doença de forma mais efetiva”, frisou.

“Só se faz saúde com três pilares fundamentais: pessoal, tecnologia e financiamento. Se temos uma dessas sustentações inadequada, logicamente não conseguimos levar uma boa saúde à população alagoana. Portanto, dentro dessa perspectiva, o Governo do Estado tem trabalhado de forma célere e efetiva”, acrescentou.

Ascom – 06/06/2018