Rede de Atenção às Vítimas de Violência ajuda a identificar suspeito de estupro

A prisão do ex-servidor da Câmara Municipal de Maceió, acusado de abusar sexualmente de pelo menos 19 adolescentes, só foi possível graças a um relatório emitido pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesau). Os investigadores chegaram a Benício Vieira de Lima, de 46 anos, com base em um documento entregue à Polícia Civil de Alagoas (PC/AL), que apontava o relato das vítimas, evidenciando o mesmo modo de agir do autor dos estupros, ocorridos nos bairros Feitosa e Jacintinho.

Os relatos contidos no relatório entregue à PC/AL foram obtidos pelas enfermeiras, assistentes sociais e psicólogas que atenderam as vítimas nas unidades de saúde vinculadas à Sesau. Por apresentarem grande semelhança nas atitudes adotadas pelo acusado e as informações repassadas pelas vítimas evidenciarem características iguais para o autor da série de estupros, a coordenação da RAVVS chegou à conclusão que poderia tratar-se da mesma pessoa.

“Todas as semanas nos reunimos para mensurar nosso atendimento e avaliar o perfil dos casos atendidos. Com isso, verificamos que vários estupros, ocorridos desde novembro passado, tinham sempre um modo padrão e sistemático, com a figura de um homem com as mesmas características físicas, que abordava vítimas preferencialmente em dois bairros, conduzindo-as para o mesmo local, apresentando o mesmo comportamento e utilizando o mesmo veículo”, relatou Camille Wanderley, coordenadora da RAVVS.

A investigação – De posse das informações repassadas pela Sesau, os investigadores da PC iniciaram as investigações e chegaram até o ex-servidor da Câmara Municipal de Maceió. Apesar de negar a autoria dos crimes, ele foi reconhecido pelas vítimas que foram ouvidas pela delegada Ana Luíza Nogueira.

De acordo com a Polícia Civil, nove mandados de prisão contra o acusado foram emitidos e cumpridos na segunda-feira (15). Em seguida, ele foi levado ao Complexo de Delegacias Especializadas (Code), onde realizou os procedimentos necessários está preso à disposição da Justiça.

A Rede – Criada em outubro de 2018, a RAVVS presta assistência a mulheres, homens e as Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros, Queer ou Questionadores e Intersexo (LGBTQI+) vítimas de violência sexual.  Em menos de seis meses já foram atendidas 361 pessoas, sendo 331 mulheres.

O serviço oferece assistência multidisciplinar em saúde, com transporte entre os pontos de atenção, 24 horas por dia, de domingo a domingo. A Rede pode ser acessada através do telefone 0800 284 5415 e atua integrada com os órgãos de segurança pública, a exemplo do Instituto Médico Legal (IML) e delegacias.

Atualmente, a RAVVS tem desenvolvido atividades com a Secretaria de Estado da Educação (Seduc), capacitando educadores para que desenvolvam estratégias que criem uma cultura de respeito pela mulher e pelos LGBTQI+ nas escolas alagoanas. “A parceria também tem como propósito orientar os professores e diretores para que detectem quando uma criança ou adolescente apresente comportamento que pode ser consequência de um abuso sexual e, consequentemente, possam acionar a RAVVS para prestar assistência”, salientou Camille Wanderley.

Ascom – 16/04/2019